sexta-feira, 29 de maio de 2009

Com o tempo, tudo passa. O que não passa, a gente passa por cima.

domingo, 10 de maio de 2009

Do lado de dentro

Se, num dia qualquer, eu bater a sua porta, você promete me deixar entrar? É que às vezes eu sinto essa necessidade premente de não ficar só e você, mais do que ninguém, consegue me fazer sentir completa. Eu deixo você conhecer meus segredos, aqueles que eu guardo numa caixinha imaginária, do lado do travesseiro. Mas, eu vou querer saber as suas verdades, aquelas só suas, e vou querer fazer parte delas também.
Prometo entender seus medos, mas você vai conviver com os meus e ter que dormir com o abajur aceso, porque você já conhece meu medo de escuro. Eu divido minhas alegrias e meu edredom com você. Mas, você vai ter que parar de fugir de mim toda vez que se assusta ou fica com medo do inseguro, porque ficar junto é muito mais do que certeza e segurança. Eu prometo te dar um beijo todo dia de manhã, e à noite também, além de outras coisinhas mais. Mas você vai ter que me prometer carinho e chocolates no domingo.
Você vai conhecer meus ciúmes bobos e minhas manias, e vai aprender a aceitá-los, porque eu sou muito mais fofa do que tudo isso e você não vai resistir. E vai entender também quando eu inventar brigas sem motivo e começar a chorar só para quebrar o gelo, porque eu tenho horror quando as coisas tendem a ficar entediantes. E se, num dia qualquer, eu tentar fugir de você e for embora, prometo não demorar em voltar. Porque você sabe que eu só faço isso por puro charme e pra ter certeza de que você me quer.
Então, quando eu bater, me deixa ficar pra sempre? Mas faça isso logo, e depressa. Antes que esse sentimento todo acabe e eu pare de me imaginar com você.

quando eu te encontrar
vou regular teu relógio
marcar a hora certa
para você nunca se atrasar

porque o desejo tem pressa
não quer saber dessa conversa
de demorar em chegar

Mas, quando estiver contigo
eu quero que o relógio quebre
que os ponteiros não se acertem
fazendo o tempo parar

porque, com você
tudo fica tão perfeito
que até o relógio quebrado
volta a funcionar

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Untitled

Bem que poderia ter sido diferente.
Você poderia não ter esse jeitinho tímido irresistível. Muito menos esse ar enigmático e essa mania de soltar comentários impertinentes quando bebe. Poderia não mexer comigo de uma forma que ninguém mais mexe. Poderia gostar de música brega, forró e axé. Poderia não beijar tão maravilhosamente bem. E não ser tão doce , inclusive quando eu não mereço. Poderia não me deixar ficar com o lado direito da cama, só porque eu tenho um transtorno obsessivo que não me deixa dormir do outro lado. Nem me desculpar quando eu tenho meus ataques insanos e brigo com você. Sem dúvidas, poderia não ser mais inteligente do que eu, me dando uma chance de resposta. Poderia ser canalha, grosso e pedante. E olhar pra mim sem notar que eu estou observando você há horas. Poderia me ligar sem que isso fizesse meu coração sair pela boca , tampouco me tocar e falar no meu ouvido sem que eu me arrepiasse inteira. Poderia me pedir para ficar e nunca mais me deixar ir embora. Poderia não ser tão dificil de esquecer.
Bem que poderia ter sido diferente.

Eu poderia não ter me apaixonado por você.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Inferno astral existe. Eu juro.

Sempre fui dessas pessoas céticas, chatinhas mesmo, de contestar tudo aquilo que não se baseie em uma fórmula empírica einsteiniana. Uma das coisas que mais me irrita no mundo é a tal da astrologia e a sua massa de seguidores idiotas que acreditam e vivem a vida em função de horóscopo de jornal. Como o simples fato de, no dia em que você nasceu, saturno estar mais próximo da terra e júpiter não estar alinhado com o sol pode influenciar na sua personalidade? Com certeza, a astrologia foi criada por um desses seres com QI dois pontos acima do de uma ostra, que se aproveitou na imensa quantidade de topeiras que existem no mundo para fazer crível essa tese.


Pois bem, retiro tudo o que eu disse. O inferno astral existe, eu juro. Passei muito tempo resistindo à sua existência, mas os anos me mostraram, quase que esfregando na minha cara, que ele está aí, bombando e infernizando a vida de todo mundo. Se fosse mentira, como explicar a quantidade de merda que acontece com você mais ou menos um mês antes do seu aniversário? Se somar todos os acontecimentos infelizes dos outros meses do ano, não dá nem metade. É como se Murphy tivesse dado uma camada de pau no seu anjo da guarda e ocupasse o lugar dele.


Por isso que você, em míseros trinta dias, consegue bater o carro, afogar seu celular na privada, caminhar no calçadão e pisar em cocô de cachorro, ter uma TPM interminável, quebrar um dente (se você ainda não tiver tirado os sisos, a hora vai ser essa) e pegar a gripe da estação. Se não tiver nenhuma, com certeza seu organismo vai absorver algum vírus transmitido por um ácaro que veio do sul da malásia, mas você vai ficar doente. É fato.


É por isso que se ganha presente no dia do aniversário. Não é uma forma que todos têm de expressar carinho e comemorar seu nascimento, e sim um prêmio de consolação por ter conseguido sobreviver a esse trânsito astrológico, em que Deus vira as costas pra você e diz “se vira”.


Portanto, se você for sábio (e vagabundo), fique em casa durante esse tempinho, arriscando somente jogar um dominó ou paciência no baralho (nem use computador, é capaz de pifar só em você ligar). Caso você tenha vida própria, se abrace num galho de arruda, vá se benzer e não conte com a sorte: ela vai estar bem longe de você.